Ferrari e sua suposta propaganda subliminar

Data: 05/05/2016 Autor: Felipe Zimmermann Arruda Categoria: Curiosidades Visualizacoes: 993
img/landsdig_blognovo/227_post_11849.jpg

No ano de 2010 saiu no jornal britânico "The Times", a notícia de que a Ferrari estava sendo investigada por uma suposta propaganda subliminar nos seus carros. Porém, naquela época como as notícias não eram espalhadas tão facilmente na internet, muita gente nunca soube (o Facebook ainda não havia emplacado no Brasil, muito menos o Whatsapp que ainda tinha 1 ano de sua criação).

A propaganda de cigarros é proibida na Fórmula-1 desde 2006, mas a indústria tabagista sempre teve forte presença na categoria, a começar pelo patrocínio da Gold Leaf nos até então verdes carros da Lotus. E claro, a Marlboro, transformou os carros da McLaren em pacotões de cigarro durante décadas, até migrar para a Ferrari, A influência da Marlboro na Ferrari foi tão intensa que chegaram até a mudar a cor dos carros – do famoso "Vermelho-Ferrari" para um vermelho alaranjado – simplesmente para que os carros (e a marca) se destacassem mais na transmissão pela televisão.

A equipe já se chamou Scuderia Ferrari Marlboro e a marca de cigarros assinou um contrato de 10 anos no valor aproximado de 1 bilhão de dólares. Com a proibição definitiva em 2006, o vermelho nos carros voltou a ter aquela tonalidade mais escura, mas na carenagem aparecia um código de barras branco, bem no lugar onde habitualmente se via a famosa marca de cigarros. Na edição do dia 29/04/2010 do jornal "The Times", médicos britânicos pediram investigação para esclarecer a suposta publicidade subliminar que estaria sendo feita pela Ferrari em seus carros e uniformes para promover a marca de cigarros Marlboro.

img/landsdig_blognovo/227_post_14054.jpg

Na imagem, há uma grande semelhança entre a marca e o código de barras, quando o carro está em movimento identificamos alguns elementos de neuro-branding, um assunto já tratado aqui no blog que são os "smashable components” – elementos que por si só causam uma associação imediata à marca, sem que se faça necessária a aplicação do logo. São como o vermelho e branco, a onda ou o formato da garrafa da Coca-Cola.

img/landsdig_blognovo/227_post_14436.jpg


De acordo com a acusação, a Ferrari teria usado as cores vermelho, branco e preto em seus carros e nos macacões dos pilotos, que trazem uma faixa horizontal branca na altura do peito, para "lembrar" uma embalagem da famosa marca de cigarros. um porta-voz da Comissão Europeia de Saúde Pública destacou que a equipe poderia estar realizando marketing subliminar em prol da empresa. A acusação ganhou força quando John Britton, membro do Royal College Of Physicians (associação nacional de físicos do Reino Unido), destacou ao "The Times", que a distribuição das cores utilizadas pela Ferrari, assim como o design, "lembram a parte inferior de um pacote de Marlboro". A Ferrari perdeu a causa e foi obrigada a retirar o "emblema" dos carros e dos uniformes.